Tipos de Melancias

A ausência de sementes na melancia ocorre como resultado de um cruzamento, entre plantas de diferentes constituições genéticas, levando a uma semente especial que proporciona a fruta sem sementes. Os pesquisadores alertam que, em alguns casos, pouquíssimas sementes são originadas, mas isso não é comum. No entanto, é normal a presença de rudimentos brancos de sementes, que podem ser ingeridas com a polpa, sem problemas.

Melancia de Polpa Amarela

A variedade de polpa amarela (melancia japonesa ou kodama) também vem sendo objeto de estudos da Embrapa há alguns anos, comandado pelo pesquisador Flávio de França Souza, e o resultado vai ser lançado no mercado ainda em 2007: duas variedades de melancia de polpa tenra: a BRS Soleil e a BRS Kuarah, levemente crocantes, com alto teor de açúcares e coloração amarelo canário, Para o consumidor, as futuras variedades serão mais práticas, pois, além de apresentarem excelente sabor, os frutos são pequenos variando em média de dois a quatro quilos, o que representa menor preço por unidade, maior facilidade de transporte e rapidez no consumo, mesmo em famílias pequenas, evitando a armazenagem no refrigerador.

Melancia Forrageira - polpa branca

Introduzida no Brasil no período colonial, a melancia forrageira "naturalizou-se" e se disseminou por meio de cruzamentos com outras espécies de melancia. Atualmente, encontra-se na natureza uma grande quantidade de tipos. Naturalmente, depois de maduro, o seu fruto se conserva por mais de um ano sem perder suas qualidades nutricionais. O mais impressionante é que a conservação pode ser obtida com a manutenção do fruto amadurecido no próprio campo onde foi cultivado e sob o sol escaldante das áreas secas do Nordeste, por exemplo, sem qualquer necessidade de práticas sofisticadas de armazenamento. Este tipo de melancia é um recurso alimentar essencial à criação pecuária da região, já que outra característica interessante dessa planta para os criadores, é a grande quantidade de água dos frutos, cerca de 90%. Em proporções adequadas pode, inclusive, chegar a suprir quase que integralmente a necessidade de água diária dos animais. E isto não é pouca coisa numa região como o semi-árido nordestino.

 

<<Voltar
Fonte: Correio Gourm@nd